quinta-feira, 5 de maio de 2011

Direto do Túnel do Tempo...

Sabe aquele desabafo que você ensaiou, quis dizer e até escreveu? Abaixo tem um direto do túnel do tempo...

ps.: todo o texto abaixo foi escrito em 24 de maio de 2007. É um assunto já superado, estou postando apenas porque achei bonito e não lembrava de ter isso guardado aqui... 

Chorando.

Não importa o tempo que passe, não sei há quanto tempo esse sentimento mora aqui dentro de mim, sei apenas que não dá pra te tirar da cabeça, do coração, da alma... seu olhar doce e seu sorriso inocente, suas mãos sempre quentes e com as unhas sempre bem feitas com desenhos de flores que você mesma fazia... não sei quanto tempo tive você ao meu lado, não sei por quanto tempo vou ter lembranças de você, na verdade sei muito pouco sobre você, não te conheço mais, não faço mais parte da sua vida, (não sei por que estou chorando, mas não queria estar), tudo que sempre quis foi ter você, procurei em todos os rostos beleza igual a tua, mas em vão, amei todas as mulheres que pude na intenção de te esquecer, mas em vão. 

E aqui estou, séculos depois do ultimo beijo, anos depois de ter dito o quanto te amo, aqui estou, afundado numa cama, com os olhos pulsando lágrimas e com o coração batendo acelerado pelo simples fato de contemplar uma foto tua que surgiu por acaso na minha frente. E como já li em um livro “por você faria isso mil vezes”, por você eu morreria, mataria, abriria mão de tudo que tenho e de tudo que conquistei apenas, pelo simples momento de ser amado por você, nada me faria mais feliz que um simples olhar, apenas cruzar meu olhar com o teu e não ver em teus olhos aquele ar de desprezo e reprovação... 

Quanta saudade daquele olhar apaixonado que você tinha quando nos conhecemos, aquele olhar de admiração por cada palavra que saía de minha boca, aquele olhar de felicidade ao me ver chegar, os olhinhos castanhos brilhando e o seu lindo sorriso se abrindo em minha direção com a intenção de me beijar, não se importando se tinha alguém nos vendo ou nos condenando por sermos de mundos diferentes... Não! Não! Não posso continuar a morrer assim... não quero ser um cadáver sobre estes lençóis, nos teus lábios tem o remédio que pode me devolver a vida e o sorriso largo nos meus lábios grossos e ressecados pela espera do toque dos teus. (não consigo parar de chorar!) tudo que eu quero é você! Apenas você! 

Não me importa o dinheiro, a fama, os diplomas, de quê adianta tudo isso se minha vida sem você não existe? Não posso nem ouvir teu nome que me tremo dos pés a cabeça... não esqueço dos dias que vi, de cada um deles... dos seus movimentos, da forma como você sorria, queria estar morto para não ter que sofrer com essa dor, com essas lágrimas. Ah como queria poder te ver novamente, saber notícias tuas, conversar, adorávamos conversar... me pergunto se você lembra de mim, se alguém te pergunta por mim como me perguntam por você, se eu sou assunto de alguma conversa sua com alguém, e me pergunto se nessas conversas você se refere a mim com ódio e desprezo... (como dói

Amanhã é meu aniversário e sinceramente não sei se tenho algo pra comemorar, não tenho nada além de um vazio imenso em meu ser, algo como um buraco negro que cresce e não pára de consumir tudo à sua volta... Ghandi dizia que “o amor é a força mais poderosa do mundo”, mas me pergunto por que me sinto tão fraco mesmo tendo tanto amor dentro de mim, como me sinto incapaz de mover um só dedo... alguns chamam de depressão, outros de frescura, eu chamo de morte... a morte é a ausência de vida, e nada mais se encaixa nessa situação que isso... 

Minha vida, você, não está comigo, e conseqüentemente não tenho vida: estou morto! Morto de amor por alguém que me despreza e que não me deixa sequer chegar perto, que condena tudo que eu faço, que me xinga e me humilha com as mesmas palavras, aquele velho discurso bem ensaiado do “acabou mesmo!”, aqueles olhos que desprezam, que criticam, que machucam, já foram os mesmos olhos que me viram chorar de amor e de alegria por ter te encontrado, que contemplaram o meu sorriso toda vez que te via, foram os mesmos olhos que brilhavam cada vez que eu dizia “te amo”, estes mesmos olhos que viram outras pessoas, que brilharam para outras pessoas ao dizerem a mesma frase, foram os mesmos olhos que choraram por outras pessoas e que por mim nunca derramaram uma lágrima sequer... 

Esses mesmos olhos castanhos que me cativaram e me deixaram completamente apaixonado... esses olhos que hoje não sou capaz de olhar para não ver neles mais gelo e desprezo, são esses mesmos olhinhos puxados que se apertam quando você sorri que eu gostaria de poder ver novamente com aquele brilho do nosso primeiro beijo à sombra de uma árvore num fim de tarde... são os mesmos olhos que povoam meus sonhos e que também estão presentes nos meus pesadelos (vou parar para poder me recompor, não paro de chorar, não dá! Dói muito!) (...) 

Por que seus olhos são tão lindos? Nossa! Por que desprezar um amor tão puro? Tão verdadeiro? Por que se negar a novamente sentir esse amor? Essa emoção de ser amado e amar... Perdoe minhas falhas, meus defeitos que um dia você disse não serem importantes, perdoe o fato de te amar como nunca amei nada nem ninguém, perdoe-me... apenas isso... perdoe-me! Não sei se mereço este perdão, mas o peço humildemente, te peço como quem pede clemência à beira da morte, eu trocaria a minha vida pela tua, pediria que me matassem no teu lugar, se com isso você fosse viver... por você faria isso mil vezes... não hesitaria um segundo sequer, mesmo que meu sangue corresse de minha garganta cortada aos teus pés por amor, acho que nem assim você me amaria, nem mesmo naqueles últimos instantes de minha vida, acho que nem morrendo por você, você seria capaz de me amar... e como isso dói... e como dói... (não paro de chorar um instante

Não vejo saída para mim, não vejo nada além de uma noite escura e sem estrelas, fria como você. As boas lembranças que carrego comigo – e não são muitas – em quase todas elas é você quem está presente... num banco de praça... numa cadeira de balanço... num palco empoeirado... na minha cama sorrindo para mim inocentemente... de mãos dadas caminhando... assistindo quadrilha... numa janela em uma chácara... numa rede... lembranças... sorrisos... lágrimas e mais lágrimas... talvez você nunca leia isso que estou escrevendo, mas quem sabe alguém pode ler e te dizer que em algum momento da tua vida eu te amei e te amo como jamais alguém no mundo imaginou que fosse capaz de amar... já escrevi 1.122 palavras, (e você pode contar se quiser) e provavelmente eu tenha derramado 10 vezes mais lágrimas do que isso... imaginando o dia que nos casaríamos e seríamos felizes dividindo o mesmo teto. 

Já chorei ao acordar de um sonho que você tinha um filho nosso, e que tinha os seus olhos e minha boca (risos misturados aos soluços do choro), já chorei pelo simples fato de nossa história ter terminado, e por tantas pessoas que vinham a mim e inocentemente diziam que você estava namorando, e como isso é freqüente... e como isso me machuca... porque a única boca que eu realmente desejo é aquela que jamais será minha, é aquela que já beijou tantos que nem mesmo sabe... que já disse “te amo” pra outro e provavelmente de forma sincera e verdadeira, e isso machuca ainda mais... a boca que quero já foi minha... já me disse “te amo”, já me fez rir com comentários fascinantes sobre o jeito de andar de não sei quem, a boca que me chamava de “meu lindinho” e que só dizia isso devido ao olhar que podia ver além da minha desgastada beleza. (quem dera eu fosse belo

Hoje não sei que tipo de pessoa você se tornou, que comidas você gosta, se você ainda gosta de novelas e de ler romances, não sei se você reza antes de dormir e quando acorda, não sei se vai à Missa todos os domingos, não sei se depila com lâmina ou cera, não sei se faz chapinha ou se assumiu os cabelos ondulados de vez (que eu sempre achei lindos), não sei o que você faz quando se sente triste, não sei se a sua vida social ainda é em torno de encontros de teatro e dança, não sei mais nem se você é feliz... só sei que te amo... (chorando muito).

_____

Forte não?  

14 comentários:

Tati Cabral disse...

Como dói ler estas linhas... Ontem foram de uma luxúria desmedida, e hj d uma dor que tb está doendo em mim. Ñ te atormentes, Deus conhece teus passos, e se esse amor tao imenso q vc sente por uma pessoa q ñ o merece, fica calmo e espera, Ele vai te presentear com uma pessoa única, q dividirá teu teto, tua cama, teus sonhos, teu sorriso lindo, e sim será a mae dos teus filhos, esposa amantíssima!
Uma vez eu li q "kem procura um amor para eskecer outro sofre em dobro."
Ñ deixe q esse amor seja uma sombra nos teus relacionamentos, pare d procurar em todos os rostos a mulher da tua vida, pq ela chegará, e virá até vc. Dá um tempo, descansa teu corpo, alma e coraçao, eles merecem. Até o poeta descansa alguma vez.
E te digo d coraçao.

andressa_chaim disse...

Realmente muito forte, só quem já amou é capaz de entender.

O primeiro passo pra ser amando é se amar primeiro!

Daniel Ribeiro disse...

Tati... e todo mundo que leu o texto... isso é algo de um passado bem distante... BEM DISTANTE MESMO... foi só pra postar algo que eu já vivi, não q eu esteja vivendo...

isto data de 2007 e estamos em 2011...

É mais do que superado... é realmente passado... eu li o texto e não senti nada de mais

Adaildo Neto disse...

lembra jg de araujo jorge

Daniel Ribeiro disse...

Pra mim é uma honra ser comparado com um ícone da poesia brasileira...

grato pelas palavras meu velho amigo!

Tati Cabral disse...

Pois seu beshta, eu teria escrito em 2007 se eu tivesse lido em dita data!!!! Mas como eu só vi agora, ñ é culpa minha!!!!! ^^

Priscila Guimarães disse...

Uma delícia reler velhos textos que escrevemos, não é mesmo? Principalmente quando se fala de um amor.

A gente relê e acaba tendo uma perspectiva diferente sobre tudo o que passou, lembrando de atitudes que hoje não teríamos mais, ou pensando em outras coisas mais que deveríamos ter feito naquele momento.

E o melhor de tudo, é que mesmo tendo se passado tanto tempo, e mesmo todos os leitores aqui não tendo acompanhado essa fase da tua vida, a gente consegue sentir a intensidade em suas palavras.

Congratulations :)
( vou começar a dar parabéns em outros idiomas, porque parece clichê, falar a mesma coisa sempre que venho aqui rs' )

Daniel Ribeiro disse...

Pri... Realmente, a gente fica se perguntando de onde saem estas palavras, como elas surgiram ali e parece até que elas sempre estiveram lá... Obrigado pela presença... A casa é sua... volte sempre...

Daniel Ribeiro disse...

Magrela desatenta ^^

Izau Melo † disse...

kkkkkkkk que massa mano!!! como sempre final de tirar o fôlego, mandou bem, não esquece de me avisar sempre que tiver novidades!!!

Daniel Ribeiro disse...

Bote fé mestre!!! Este texto é super antigo... tava aqui fuçando uma pasta antiga de rascunhos de poemas e vi o título desse "CHORANDO" aí eu abri e vi isso... na hora eu lembrei dos teus textos grandes e pensei: "pq não postar?"

e eis aí... um post bem forte ^^ com aquela pitada de sarcasmo no final...

obrigado pela visita... a casa é sua... e pode ter certeza, vou avisar sempre!

C. Eduardo disse...

Tudo que remete aos sentimentos humanos é de validade duradoura!
Sempre que me pego tb vendo algo que um dia escrevi pra alguém, reflito enormemente...mas assim como vc Dani, não dói mais! Mas é interessante vermos que o tempo é realmente um grande professor!

Daniel Ribeiro disse...

De fato, Cadu! Baltasar Gracián diz assim: "O tempo e eu contra outros dois" Quem tem o tempo como aliado supera tudo... vence tudo... minha vida é mais do que exemplo pra isso...

Obrigado pela presença meu velho amigo!

Precisamos tomar akele chopp hein!

C. Eduardo disse...

Com certeza, vamos sim...de lei...até mais meu amigo!!!